Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for Novembro, 2007

30/11/2007

da Ansa, em Londres

Comer alimentos salgados favorece o nascimento de meninos, e comer doces, de meninas. Até pouco tempo, isso soava como crendice popular pouco confiável. No entanto, um estudo divulgado pela Universidade de Pretória, na África do Sul, está tentando confirmar a tese.

A experiência foi conduzida em camundongos. Os animais com um baixo nível de açúcar no sangue dão à luz a mais fêmeas do que machos.

Os pesquisadores separaram as mamães camundongos em dois grupos: administraram a 20 animais a dexametasona, um esteróide que mantém baixo o nível de açúcar no sangue, e alimentaram outros 20 animais com uma dieta normal. Comparando a prole das duas amostragens, pode-se perceber que os machos no primeiro grupo eram 41%, enquanto no segundo grupo chegavam a 53%.

“Ainda não é claro como o nível de açúcar pode influenciar no sexo da geração”, disse Elisa Cameron, a pesquisadora que conduziu o estudo. Segundo os pesquisadores, o evento poderia ser identificado também nos seres humanos: no homem, a dieta poderia alterar a proporção de espermatozóides que carregam cromossomos masculinos e femininos; nas mulheres, o útero poderia criar condições mais ou menos favoráveis para um ou outro sexo.

“Este trabalho aumenta a possibilidade de que a alimentação influencie na proporção de homens e mulheres nas populações. Além disso, permitiria entender a teoria evolutiva, segundo a qual os animais seriam capazes de selecionar o sexo de sua prole”, explicou Cameron.

Read Full Post »

Guta

Read Full Post »

     Jóia

Comer, mais que uma necessidade orgânica, é um momento de puro prazer. Em todos os tempos, em todas as sociedades, em tendas ou em palácios, a comida desperta sensações muitas vezes inexplicáveis.

O homem se deixa seduzir diante de uma mesa bem posta, onde o colorido, a apresentação dos pratos, os aromas inebriantes deixam o clima leve, soltam o corpo, elevam o espírito.
 

De tanto prazer, a boa mesa provoca excessos,

reunidos sob o manto do “pecado da gula”. Pecado que pode inibir, de início, mas cujo receio geralmente é posto de lado.
 

Come-se também com os olhos, que espelham o desejo diante não apenas de banquetes, mas de objetos que atingem outros sentidos, revolvendo emoções, trazendo à tona a vontade de ter, de usufruir, de vivenciar novos momentos.
 

Com a coleção de jóias “O Sexto Pecado: Gula”, a designer gaúcha Cláudia Schneider e Valdir Vicente transformam os prazeres da mesa em descobertas para o corpo. A partir de resinas orgânicas, extraídas de beterraba, espinafre, café e pimentas – só para citar algumas espécies desse inesgotável manancial-, a designer cria jóias para quem, sem peso na consciência, não se furta ao prazer – venha ele da mesa farta ou da reluzente vitrine.
 

Criam jóias para quem, a exemplo de Pantagruel, o herói insaciável do francês Rabelais, não se detém diante dos castigos do céu: come com todos os sentidos, sorvendo o prazer de ornar o corpo com peças exclusivas, que fazem do exótico um elemento a mais para novas sensações.

A coleção “O Sexto Pecado: Gula” quebra barreiras, estabelece conceitos, lança a joalheria em um universo que ainda guarda tesouros para futuras explorações. É um convite sem rodeios – e por isso mesmo irrecusável – ao encontro do prazer proporcionado por todos os sentidos.

Read Full Post »

Receitinha do Mesa pra Dois

Adoro mandioca, acho até que posso aproveitar o melaço que comprei pra fazer o pão do Outback para alguma coisa…

Ingredientes:

500 g de mandioca descascada
800 ml de leite integral
4 colheres (sopa) de melaço de cana

Preparo: Em uma panela coloque as mandiocas descascadas e o leite e cozinhe em fogo baixo até que fiquem macias.
Retire da panela e com um garfo corte-as ao meio no sentido longitudinal, descartando o fio grosso do centro.
Regue com o melaço e um pouco de leite do cozimento.

Farofa
Ingredientes:

100g de bacon cortado em cubos pequenos
1 cebola grande fatiada em meia-lua
2 ovos
300g de farinha de mandioca grossa
sal e pimenta
ciboulette picada

Preparo: Coloque a farinha em uma frigideira e leve ao fogo baixo até que fique bem seca. Reserve.
Em outra frigideira, doure o bacon. Acrescente as cebolas e deixe dourar ligeiramente. Bata ligeiramente os ovos e acrescente à frigideira, mexendo sempre. Tempere com sal e pimenta. Acrescente a farinha mexendo rapidamente. Retire do fogo, acrescente a cebolinha e corrija o sal se necessário.

Read Full Post »

Receitinha do programa Mesa pra Dois, que eu adoro!!! 

Ingredientes:

100g de farinha de tapioca
20 ml de azeite de oliva
100g de queijo-de-minas padrão
40g de tomate confit
folhas de manjericão
Manjericão para decorar

Preparo:
Em uma frigideira em fogo médio, distribua a farinha de tapioca de maneira uniforme. Quando os grãos de farinha se unirem, vire o disco de tapioca que se formou, regue com azeite e abaixe o fogo por mais alguns instantes. Com um aro de metal de 8 cm de diâmetro faça 3 círculos na tapioca e reserve.
Com o mesmo aro, faça círculos no queijo-de-minas. Em outra frigideira, grelhe ligeiramente o queijo. Salpique com as folhinhas de manjericão e reserve.
Sobre uma tábua, pique o tomate confit até formar uma pasta. Aqueça no forno e reserve.

Para a montagem, intercale os discos de tapioca e as fatias de queijo, formando uma pilhas (três discos de tapioca e dois de queijo). Corte os círculos ao meio, formando duas porções de “meias-luas”. Coloque cada porção de meia-lua em um prato e decore com folhas de manjericão. Com o auxílio de uma colher, monte uma quenelle de tomate confit. Finalize com um fio de azeite e pimenta-do-reino.

Tomate Confit
Ingredientes:

4 tomates
50 ml de azeite
Orégano
Sal e pimenta

Preparo:
Em uma tábua, corte os tomates ao meio e retire as sementes. Coloque-os em uma assadeira com a pele para baixo e tempere com azeite, orégano, sal e pimenta. Leve ao forno alto (200 ºC) até que estejam macios. Retire do forno e descarte as peles.

Beiju de Tapioca com Coco
Ingredientes:

120g de farinha de tapioca
½ xícara de coco ralado fresco
1 colher (sopa) de leite condensado

Preparo:
Em uma frigideira em fogo médio, distribua a farinha de tapioca de maneira uniforme. Quando os grãos de farinha se unirem, acrescente o coco ralado e regue com o leite condensado. Feche o disco ao meio e sirva.

Read Full Post »

Todo mundo já sabe que eu adoro batata, e há algumas semanas encontrei a receita perfeita: Galette de batata.

O Galette é um prato de origem bretã (da região da Bretanha, na França) e parece um pouco com o crepe e a panqueca, mas essa receita é um pouco diferente  porque é assada ao invés de frita.

Galette de batata

10 batatas pequenas
3 colheres de sopa de leite
2 colheres de sopa de farinha de trigo
1 ovo
100g de queijo branco picado
40g de queijo parmesão ou provolone ralado
sal
pimenta do reino
temperos que prefirir
manteiga

Modo de fazer

Descasque e cozinhe as batatas. Depois amasse-as com um garfo. Deixe esfriar um pouco, acrescente o leite e misture. Em seguida junte a farinha, o ovo, os queijos e os temperos, mexendo sempre que inserir um dos ingredientes.

Unte uma forma refratária grande com manteiga. E com a ajuda de uma colher coloque montinhos da massa (como se fosse bolinhos) na assadeira. Asse em forno médio alto, pré aquecido, por cerca de 30 minutos. Sem esquecer de virar os galettes de lado após 20 minutos de forno. Eles têm que ficar dourados dos dois lados. Ótimo acompanhamento para carnes, ou até pra ser servido como petisco.

Read Full Post »

da Folha de S. Paulo

Quando Noé construiu sua arca, protegeu do dilúvio casais de animais. Fosse hoje, talvez o personagem bíblico incluísse também alimentos tradicionais ameaçados de extinção. E eles não seriam poucos, conforme revela um catálogo mundial feito pela associação Slow Food que identifica e divulga produtos em risco de desaparecer. Dos mais de 750 produtos listados na Arca do Gosto –uma alusão à embarcação de Noé–, 23 são do Brasil, entre eles o feijão canapu, o babaçu, o pirarucu e a castanha-de-baru.

“A Arca reúne produtos de pequenos agricultores, extrativistas e indígenas”, diz Roberta de Sá, coordenadora dos projetos do Slow Food no Brasil. “Para entrar na lista, o produto deve ter excelência gastronômica, ser ligado à história da comunidade, ter produção artesanal com ênfase na sustentabilidade e estar em risco de extinção.”

A ameaça de desaparecimento, segundo Roberta, pode ser justificada de inúmeras maneiras, como a perda da tradição do modo de fazer –caso da marmelada de Santa Luzia–, ou pela localização do alimento em uma área devastada.

A partir do catálogo, a fundação, que prega a combinação do prazer à alimentação consciente e responsável, partiu para a captação de recursos financeiros para bancar as Fortalezas, projetos que visam a melhoria da qualidade dos produtos ameaçados. No Brasil, elas são sete e muitas participaram no último mês, em Brasília, do Terra Madre Brasil, um encontro nacional de ecogastronomia.

Não existe um padrão para as Fortalezas. As iniciativas variam de acordo com a realidade e as necessidades de cada comunidade, mas objetivam: 1) promover os produtos artesanais; 2) criar padrões de produção; 3) e garantir a viabilidade futura dos produtos.

Na Fortaleza do palmito-juçara, planta nativa da mata Atlântica que há 12 anos está sendo plantada pelos guaranis da aldeia Ribeirão Silveira (litoral norte de São Paulo), a próxima etapa é conseguir um selo que permita aos índios comercializarem o caule comestível.

“Estamos inventariando as palmeiras nativas para criar um plano de manejo, provar que somos produtores e conseguirmos a autorização para vendê-lo”, diz o cacique Adolfo Timótio Verá Mirim.

Na Fortaleza do umbu, que reúne os municípios baianos de Uauá, Curaçá e Canudos, por exemplo, foram construídas minifábricas onde o fruto é transformado em doces, geléia e polpa pasteurizada. Da produção total, 55% é destinada à merenda de escolas do sertão do Estado, 30% vai para países como França e Áustria, 10% é vendida em feiras e exposições e 5% fica no mercado regional.

“É mais fácil exportar que vender aqui dentro”, diz Jussara Dantas de Souza, da Fortaleza do umbu. “Lá fora, a Associação Comércio Justo deposita 50% do valor antes de começarmos a produção. Aqui, você investe, entrega o produto e só recebe 60 dias depois.”

Mas, para quem acredita que, para preservar, é preciso fazer a população conhecer os produtos, ainda há um importante passo a ser dado, que é o da distribuição dentro do Brasil. Como se faz hoje para comprar os produtos da Arca? “Há realmente uma dificuldade muito grande que é a parte do transporte. [A distribuição] É o nosso maior desafio”, diz Roberta.

Read Full Post »

Older Posts »