Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for the ‘Feliz Ano Novo’ Category

A sobremesa que mais gosto de preparar é pavê. Nem sei explicar porque, mas tenho diversas receitas e vivo inventando novas. Essa que está aí embaixo inventei nesse verão, fica ótima.

Pavê de chocolate

1 litro e 1 copo de leite
5 ovos
1 colher de chá de essência de baunilha
1 lata de leite condensado
1 e 1/2 colher de sopa de maisena
1 colher de sopa de chocolate em pó
2 pacotes de bolacha champanhe
1 barra de chocolate meio amargo
1 lata de creme de leite sem soro
4 colheres de sopa de açúcar

Modo de fazer
Separe as claras das gemas. Reserve as claras. Bata as gemas com o leite condensado e a essência de baunilha no liquidificador, depois acrescente meio litro de leite e a maisena. Despeje a mistura numa panela e acrescente o restante do litro de leite. Cozinhe a mistura em fogo médio, mexendo sempre, por cerca de 15 minutos ou até formar um creme .

Quando ficar pronto coloque metade do creme no fundo de uma refratária grande, depois faça uma camada de bolacha champanhe molhada no leite com chocolate, e coloque a outra metade do creme por cima, e faça uma nova camada de bolacha. Em seguida pique o chocolate e coloque por cima das bolachas. Bata as claras em neve com o açúcar, e depois misture o creme de leite, e espalhe essa mistura sobre a camada de chocolate picado. Agora é só levar à geladeira por cerca de 6 horas. E depois saborear a delícia, huuuummmm!

Anúncios

Read Full Post »

Receita de Ano Novo

Carlos Drummond de Andrade 

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções

para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Texto extraído do “Jornal do Brasil”, Dezembro/1997.

Read Full Post »