Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 26 de Novembro, 2007

Seja um idiota

A idiotice é vital para a felicidade.

por Arnaldo Jabor

Gente chata essa que quer ser séria, profunda e visceral sempre. Putz! A vida já é um caos, por que fazermos dela, ainda por cima, um tratado? Deixe a seriedade para as horas em que ela é inevitável: mortes, separações, dores e afins. No dia-a-dia, pelo amor de Deus, seja idiota!

Ria dos próprios defeitos. E de quem acha defeitos em você.

Milhares de casamentos acabaram-se não pela falta de amor, dinheiro, sexo, sincronia, mas pela ausência de idiotice. Trate seu amor como seu melhor amigo, e pronto. Quem disse que é bom dividirmos a vida com alguém que tem conselho pra tudo, soluções sensatas, mas não consegue rir quando tropeça?
hahahahahahahahaha!…

Alguém que sabe resolver uma crise familiar, mas não tem a menor idéia de como preencher as horas livres de um fim de semana? Quanto tempo faz que você não vai ao cinema?

É bem comum gente que fica perdida quando se acabam os problemas. E daí, o que elas farão se já não têm por que se desesperar? Desaprenderam a brincar. Eu não quero alguém assim comigo. Você quer? Espero que não.

Tudo que é mais difícil é mais gostoso, mas… a realidade já é dura; piora se for densa. Dura, densa, e bem ruim. Brincar é legal. Entendeu? Esqueça o que te falaram sobre ser adulto, tudo aquilo de não brincar com comida, não falar besteira, não ser imaturo, não chorar, não andar descalço, não tomar chuva. Pule corda!

Adultos podem (e devem) contar piadas, passear no parque, rir alto e lamber a tampa do iogurte. Ser adulto não é perder os prazeres da vida – e esse é o único “não” realmente aceitável. Teste a teoria. Uma semaninha, para começar. Veja e sinta as coisas como se elas fossem o que realmente são: passageiras.

Acorde de manhã e decida entre duas coisas: ficar de mau humor e transmitir isso adiante ou sorrir… Bom mesmo é ter problema na cabeça, sorriso na boca e paz no coração!

Aliás, entregue os problemas nas mãos de Deus e que tal um cafezinho gostoso agora?

“A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios… Por isso, cante, ria, dance, chore e viva intensamente cada momento de sua vida, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos…”

Anúncios

Read Full Post »

do G1

Uma vovó escocesa foi proibida pela Justiça de dar doces aos quatro netos, que vivem na Austrália, informou a “BBC”. A avó trava uma batalha judicial contra a própria filha para poder ter acesso aos netos.

Tudo começou quando as duas tiveram uma briga feia. A mãe das crianças, conhecida apenas como D.R., acusa a própria mãe, a vovó E.M., de ser dominadora demais e de levar uma “enorme quantidade” de doces para os netos quando os visitava.

 A gota d’água, segundo D.R., foi quando a vovó chamou a Sociedade Protetora dos Animais da cidade por não gostar do jeito que os dois cães da família eram tratados. Foi aí que as duas cortaram relações.

Segundo o juiz Daniel Kelly, a avó chegava a levar duas malas cheias de guloseimas para as crianças. Kelly a autorizou a visitar os netos uma vez ao mês — desde que não levasse doces. Isso porque as duas crianças mais velhas tiveram que extrair dentes por excesso de cáries.

Read Full Post »

da Casa da Chris

Champanhe, chocolates e doces finos, azeites e especiarias, trufas negras e caviar, foie gras, queijos…. Quem não resite ao glamour e ao sabor da alta gastronomia francesa, não pode deixar de conhecer alguns endereços de Paris.

Na região da Madeleine, ficam concentradas marcas prestigiosas como a Fauchon, a Hédiard e a Ladurée. A Lenôtre, outra pâtisserie de luxe, tem vários endereços na cidade. Estas maisons tradicionais, criadas ainda no século 19, vendem do tradicional macaron (biscoito fino feito com farinha de amêndoas) a produtos super requintados. A Ladurée e a Lenôtre são mais doçarias mesmo, mas a Fauchon e a Hédiard são butiques de alimentos de luxo. Além de todas as iguarias citadas acima, encontramos também licores especiais; frutas cristalizadas e marron glacé; salmão defumado e presuntos importados; entradas e pratos sofisticados prontos para o consumo (serviço chamado de “traiteur”). Pierre Hermé, pâtissier que foi aluno de Gaston Lênotre e trabalhou na Fauchon, abriu suas boutiques há apenas 5 anos e já é outra referência nesse mercado.

Também encontramos essas marcas nos grands magasins da cidade. No Printemps, você encontra um grande espaço dedicado aos produtos refinados chamado “Luxes & Gourmandises”. Dentro da Galeries Lafayette, encontramos também o espaço “Lafayette Gourmet”, que vende especiarias finas . Outro endereço importante para as gourmets de plantão é a loja La Grande Épicerie de Paris, que fica atrás do magasin Le Bon Marché. É uma mistura de supermercado e delicatessen, onde encontramos produtos de várias regiões do mundo, tudo muito chique.

Read Full Post »

                  Poesia

Em Araxá, clientes recebem pão embalado em poesias sobre o cotidiano e a natureza. Iniciativa da Academia de Letras pretende popularizar a literatura.

do G1, em São Paulo, com informações da Globo News

Uma parceria entre a Academia Araxense de Letras, em Araxá (MG), e uma padaria da cidade está mudando o café-da-manhã dos moradores. As embalagens de pão têm poesias impressas.

“É uma inclusão cultural porque estamos oferecendo a oportunidade às pessoas, de uma maneira simples e acessível, de levar para suas casas o pão, que alimenta o corpo, e a poesia, que alimenta a alma”, afirma Teresinha Oliveira, presidente da Academia Araxense de Letras.

São poesias que falam da natureza, do cotidiano e do próprio pão. Nessa primeira etapa do projeto, foram publicadas 60 mil embalagens com dez poemas diferentes. A entidade pretende renovar as poesias.

A poetiza Vilma Cunha, que já tem 12 livros publicados, resolveu colaborar com a iniciativa e levar literatura para todas as classes sociais. “Muita gente não tem acesso e nem motivação [para ler poesia]. Nós já notamos que várias pessoas das mais diferentes idades começaram a se interessar por poesia a partir desse projeto.”

Letícia Santos, policial rodoviária e cliente da padaria que participa do projeto, aprovou a idéia. “A gente vai comendo o pão, pega o papel, começa a ler a poesia e fica inspirado o resto do dia”, comenta.

Read Full Post »