Feeds:
Artigos
Comentários

Archive for 17 de Março, 2008

17/03/2008

da Folha Online

Até o domingo de Páscoa (dia 23 de março), a indústria alimentícia terá colocado no mercado mais de cem milhões de ovos de chocolate, num total de 22,9 mil toneladas. O volume é 7% maior ao registrado na Páscoa do ano passado. Somando aos artesanais, com 3,5 mil toneladas, o mercado deve absorver 26,4 mil toneladas de produtos de Páscoa.

Os dados são da Abicab (Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Cacau, Amendoim, Balas e Derivados). A estimativa para este ano é de manutenção dos ovos médios como maioria no consumo. Cerca de 56% têm entre 201 e 500 gramas. Outros 35% têm até 200 gramas e 9% têm mais de 500 gramas.

A expectativa de crescimento é justificada pelos resultados de 2007, quando o Brasil passou de quinto para quarto lugar entre os mercados mundiais –depois dos Estados Unidos, Alemanha e Reino Unido, e passando a frente da França–, e as vendas de chocolate de uso continuado (bombons e tabletes) atingiram as 304 mil toneladas, 22,5% a mais que o ano anterior. Para este ano, a estimativa é atingir 340 mil toneladas.

O consumo médio per capita de chocolate no Brasil é de cerca de 2,4 quilos por habitante, com variações regionais. São Paulo, por exemplo, tem um consumo anual de 3,8 quilos, o mesmo que o de um italiano médio.

Os produtos de Páscoa representam cerca de 7,5% da produção anual de produtos de chocolate de consumo continuado no Brasil. A previsão é que o faturamento da Páscoa atinja os R$ 767 milhões, em preços ao consumidor, 12% acima de 2007.

O Estado de São Paulo representa 46% do consumo de Páscoa. Em seguida vêm os três Estados da região Sul, com 21%; Minas Gerais, Espírito Santo e Rio de Janeiro, com 17%; Centro-Oeste e Distrito Federal, com 9% e Norte e Nordeste, com 7%. Os principais canais de distribuição são os supermercados.

Anúncios

Read Full Post »

Saint-Patrick’s day

Saint-Patrick’s day

Read Full Post »

Para perder a fome

Recebi o link do vídeo bizarro do Mario Soma. Aliás, o blog dele é esse aqui.

Read Full Post »

15/03/2008

da Efe, em Londres

Cerca de 50 grupos de defesa dos consumidores lançaram uma campanha para restringir a publicidade de “junk food” (comida rica em calorias e com péssima qualidade nutricional) destinada à população infantil.

A campanha exige um código voluntário de boa conduta que seria assinado pelas empresas e que restringiria a publicidade desse tipo de produtos nesse meio e na internet.

Seus organizadores querem também que se coloque fim a anúncios da “junk food” em escolas e deixem de ser usados famosos ou personagens de desenhos animados com fins publicitários.

Segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), cerca de 177 milhões de crianças de todo o mundo estão ameaçadas por doenças relacionadas com a obesidade.

A agência das Nações Unidas prevê que 2,3 bilhões de pessoas com mais de 15 anos sofrerão de obesidade até 2015.

A campanha contra a publicidade e outros métodos de promoção destes alimentos é apoiada por “International Obesity Task Force” (Grupo de Trabalho Internacional contra a Obesidade).

A entidade culpa em boa medida do fenômeno os bilhões de libras gastos ao ano em publicidade de refrigerante ou alimentos doces, gordurosos ou salgados.

“Desafiamos os gigantes da indústria alimentícia e da bebida para que apóiem nossa campanha e demonstrem que querem realmente fazer parte da solução e não do problema”, disse o presidente desse grupo, Philip James, citado pela ‘BBC’.

“Com o aumento da obesidade e das doenças relacionadas à dieta, as empresas do setor alimentício têm que ser mais responsáveis na hora de promover seus produtos entre o público infantil”, afirma, por sua vez, Sue Davis, da organização Which?.

Read Full Post »